Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A penitência de uma dona de casa que acha que tem um encosto

Diarística. Autoficção. Versos.

A penitência de uma dona de casa que acha que tem um encosto

Diarística. Autoficção. Versos.

Gosto, na manhã fresca e natural, do grasnar seco e longo das asas obtusas em queda, ato inaugural da vida, corpo e ser em individuação, os bicos negros na direção do poente. Dessa mancha alada contra o céu e a indeterminada matéria que o compõe ante meus olhos fascinados pela sua grandeza etérea e abismal. Gosto de o ver aberto e polido, de um azul ferozmente doce contra a neutralidade da brancura acizentada e outonal. Mas isto são cogitações de quem olha pela janela, certa do seu peso, da palpabilidade do osso e do órgão, da resistência ao voo.